Em busca de recursos subsidiados, com taxas a partir de 6,5% ao ano? Receba o Manual de Captação de Recursos e participe de Curso Introdutório - tudo GRÁTIS.

Quero Manual e Curso Introdutório
7 formas para sair mais fortalecido da CRI$E

7 formas para sair mais fortalecido da CRI$E

Por Arnóbio Albuquerque, M.Sc. e Fabiano Rocha, M.Sc.

Se perguntassem qual o primeiro pensamento que nos vem à mente quando ouvimos a palavra crise, responderíamos de pronto: pessimismo. É olhar para frente esperando sempre os piores cenários possíveis.

A crise atual em nosso País é um fato já largamente comentado por especialistas, visível por todos a olho (e bolso) nu. Impressionante assistir aos telejornais e ver o quanto más notícias, mesmo econômicas, vendem manchetes!

Será que existem maneiras de contornar esse pessimismo?

Sabemos que é de abrangente conhecimento que o símbolo gráfico chinês para crise é o mesmo para oportunidade. Podemos imaginar que isso não passa de uma mera coincidência. Será?

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), desde 2008, mesmo com uma crise imobiliária de repercussão mundial, a taxa de investimento da China é uma das maiores do mundo, em torno de 40% do PIB.

Importante salientar que, investimento que ajuda um país a crescer é aquele aplicado em atividades produtivas. É esse tipo de investimento que gera oportunidades e alavanca o crescimento de uma economia.

Altas taxas de investimento são consideradas características inerentes a mercados emergentes, o que de fato vem se observando na China. Contudo, outras economias ditas emergentes, como Rússia, Brasil e Índia, apresentam índices bem inferiores ao chinês. A taxa de investimento do Brasil nos últimos anos girou em torno de 20% do PIB.

Será mesmo uma coincidência ver a China ainda pujante?

Lógico que cada país possui características históricas, culturais e estruturais distintas, o que afeta as decisões de investimento tomadas em cada um, fazendo com que os agentes econômicos arrisquem investir (ou não), mesmo em tempo de crise.

O que iremos apresentar aqui são algumas maneiras de enxergar oportunidades. Estamos propondo um novo olhar para a conjuntura atual de nossa economia. As sugestões servem como o combustível necessário para que empresários, empreendedores e investidores tomem decisões para o investimento que faz falta ao Brasil neste momento.

1 – Adquira ativos mais baratos (Boa compra!)

O raciocínio é simples: em tempos de crise, pessoas e empresas precisam se capitalizar, e, para isso, vendem seus ativos. Como a oferta de ativos se torna maior, os preços tendem a cair, tornando-se uma boa oportunidade para aqueles que possuem algum dinheiro em reserva.

Como a oferta de ativos no mercado pode ser grande nessa situação, vale a pena pesquisar intensamente e observar a variação dos preços para realizar uma boa compra.

2 – Esqueça o passado e foque no que está surgindo

Não adianta lembrar quando o dólar custava R$ 1,60 e que era mais fácil viajar para o exterior. Após uma crise, a economia muda, as pessoas mudam e você precisa mudar também.

A crise transforma os comportamentos e a exigência por soluções inovadoras e eficientes é maior.

3 – Torne-se sócio

Atente para boas oportunidades de tornar-se sócio de uma empresa.

Durante uma crise financeira, muitas empresas enfrentam dificuldades para se manter produtivas. A entrada de um novo sócio passa então a ser vista com bons olhos. Logicamente, como o momento é delicado, o novo sócio terá a possibilidade de barganhar uma boa parcela de participação na empresa.

Em certos casos, o mercado de ações pode se tornar atrativo. Mesmo companhias sólidas podem enfrentar dificuldades durante uma crise. As dificuldades aqui citadas refletem negativamente no preço de suas ações. Em geral, boas companhias sobrevivem e recuperam-se após a crise. Adquirir ações na baixa e vender na alta é o segredo desse mercado. Recuperada, a empresa pode proporcionar bons dividendos para os que permanecem com seus ativos em carteira.

4 – Estabeleça parcerias

Estabelecer parcerias é uma das melhores estratégias não só para enfrentar uma crise, mas também para a evolução do seu negócio.

Identifique parceiros (fornecedores, clientes, colaboradores, funcionários) em sua atividade e busque oportunidades de negócio onde todos ganhem. Motive as parcerias e os agentes envolvidos em torno de um objetivo comum: o lucro.

As parcerias estratégicas proporcionam estabilidade para a empresa e possuem longevidade. Monte sua rede de colaboração baseada em princípios proativos e invista em seu negócio!

5 – Diversifique seus investimentos

Diversificar os investimentos é uma estratégia largamente utilizada pelos analistas financeiros quando constroem uma carteira de investimentos. O fato é que essa atitude pode e deve ser utilizada na formação de novos negócios ou na ampliação das atividades de uma empresa.

Uma pequena empresa de conserto de celulares pode ampliar seu mercado ofertando também acessórios. Caso bastante comum, grandes farmácias vêm oferecendo em suas prateleiras, além de remédios, produtos de higiene e até gêneros alimentícios.

Investir na diversidade, num contexto de crise, pode alavancar novos clientes e reduzir os riscos do negócio, visto que, atuando sob frentes variadas, a empresa alcança também mercados variados.

6 – Invista em negócios que crescem em tempos de crise

Isso mesmo, as variações mercadológicas funcionam como uma gangorra, e existem atividades que se alimentam da crise.

Mesmo no momento em que os agentes econômicos buscam poupar seus recursos, alguns gastos são inerentes à sobrevivência humana. Por exemplo, geralmente o setor alimentício consegue manter-se lucrativo nos tempos de turbulência financeira. Outros setores de serviços também são bastante procurados nesses momentos, tais como: reparos de roupas, reforma de imóveis, etc.

Você pode se surpreender com o retorno desse tipo de investimento.

7 – Supere o medo de investir e aproveite o choque financeiro

Ninguém pode tomar decisões por você. Minimize o medo buscando informações, conhecendo o mercado, enriquecendo seus conhecimentos, e transforme tudo isso em uma boa oportunidade.

O choque financeiro funciona como uma terapia de realidade forçada, impondo aos agentes econômicos a organização de suas finanças. A realidade faz com que os indivíduos enxerguem seus erros passados e se planejem melhor para o futuro.

Quando a turbulência passar, o consumidor voltará a consumir, e sua empresa precisa estar inserida de forma equilibrada no mercado

Com um bom plano de negócios em mãos, insista no aumento da competitividade e da eficiência. Posicione-se estrategicamente no mercado! Não tema o investimento e crie sua própria oportunidade.

Por fim, uma pequena reflexão:

Crises nos campos financeiro e pessoal colaboram para torná-lo mais forte. Não raro é ver exemplos de pessoas que, após momentos difíceis, tornam-se seres humanos melhores e mais preparados para a vida.

E bons líderes surgem justamente quando o improvável acontece.

Boa Sorte !

Comentários do Facebook